Alerta – Pesquisadores da indústria farmacêutica dos Estados Unidos querem transformar a vitamida D em remédio

Pesquisadores acusam a indústria farmacêutica norte-americana de tentarem alterar a molécula da vitamina D, para transformá-la em uma substância vendável e lucrativa. Para isso, formaram comitês que “aconselham” o governo dos Estados Unidos a estabelecer a dose recomendável, entre 200 e no máximo 400 unidades por dia, bem abaixo do necessário. Hoje, a organização mundial […]
Pesquisadores acusam a indústria farmacêutica norte-americana de tentarem alterar a molécula da vitamina D, para transformá-la em uma substância vendável e lucrativa. Para isso, formaram comitês que “aconselham” o governo dos Estados Unidos a estabelecer a dose recomendável, entre 200 e no máximo 400 unidades por dia, bem abaixo do necessário. Hoje, a organização mundial de saúde indica doses preventivas de 10 mil UI, não menos, que podem ser obtidas por meio de 20 minutos de exposição solar. A pele dos braços e das pernas expostas em uma pessoa de pele clara e jovem, já produz 10 mil unidades de vitamina D. Essa quantidade é 50 vezes maior do que aquela colocada à disposição do público como suplemento de vitamina D, com o título da dose recomendada. A vitamina D, medida em International Units (IU), o que corresponde na língua portuguesa a Unidades Internacionais, é obtida pela exposição ao sol de partes do corpo, como braços e pernas, por 20 minutos e garante a produção de aproximadamente 10 mil UI. Portanto é praticamente impossível obter a mesma quantidade por meio da alimentação ou pílulas, como propõe a indústria farmacêutica américa. Para se ter uma idéia, para produzir 10 mil UI, precisaríamos ingerir cerca de100 copos de leite por dia. A ciência demonstra que a pele humana, exposta ao sol, se transforma em uma glândula endócrina, produtora do hormônio. Existe uma desinformação generalizada não só entre a população geral, mas também na classe médica. O horário ideal para tomar sol, o momento em que a radiação ultravioleta é mais positiva para produzir vitamina D, é quando a sombra tem a mesma extensão que a estatura da pessoa. Atualmente, isso ocorre pela manhã entre 8h30 e 9 horas. O ideal é aguardar meia hora para passar o protetor solar, porque após esse tempo, com ou sem protetor, a criança e o adulto não vão mais produzir vitamina D. O mesmo vale para quem optar pela exposição vespertina. No final da tarde, quando a sombra tiver a mesma extensão da estatura da pessoa, os raios solares voltam a ter a mesma qualidade benéfica para produzir vitamina D. Ao meio-dia, o sol está a pino e a sombra não existe. O indivíduo não produz vitamina D, só câncer de pele. Existem pesquisas que revelam que a deficiência de vitamina D pode gerar alto risco de câncer; diabetes e hipertensão. Mulheres com baixos níveis de vitamina D, possuem dificuldade em engravidar ou abortam no primeiro trimestre da gestação. Caso levem a gestação adiante, o bebê pode nascer com malformações congênitas. Desde tempos remotos, o homem habituou-se a viver ao ar livre. Desenvolvemos dependência pela luz do solar, garantindo a saúde, portanto não faz sentido dizer que se expor à luz solar é prejudicial à saúde. Como poderíamos ter evoluído e sobrevivido como espécie, se fossemos tão vulneráveis a algo que o ser humano tem sido exposto constantemente ao longo de toda a sua existência? Atualmente, o estilo de vida pode ser apontado como o principal vilão da deficiência de vitamina D no organismo. Passamos a frequentar shopping centers em vez de ir aos parques. Saímos de nosso apartamento, tomamos o elevador, que já dá acesso à garagem, e entramos nos carros que nos levam ao nosso destino.  Hoje, somos capazes de passar um ano inteiro sem se expor, uma nesga da pele ao sol. A vitamina D, controla 229 genes de todas as células humanas. Sem vitamina D, estamos sujeitos a desenvolver uma lista enorme de doenças neurodegenerativas e autoimunes, entre elas a doença de Parkinson, Alzheimer, esclerose múltipla, lupus, artrite reumatoide, psoríase e diabetes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© Copyright 2014-2021. Portal da Nutrição Estética.